Programação

Festival de Chôro 2023

Quinta feira, dia 2 de fevereiro, até Domingo, dia 5 de fevereiro 2023

Choro, o irmão mais velho do samba, é tocado e ouvido em todas as partes do Brasil, e badalado pelo mundo. Assim decorrerá em Munique uma segunda edição do Festival de Chôro. Concertos, conversas, oficinas, rodas de choro e comida brasileira, tudo à volta do choro.

Artistas convidados são Bia Stutz (clarinete, saxofone) vinda de Portugal, Matthias Haffner (percussionista e luthier de pandeiros) de Berlim e Caiana Duo e Bavaschôro de Munique.

Todos os eventos do Festival:

Quinta feira, dia 2 de fevereiro 2023, 20 hrs

Concerto: Caiana Duo e Bia Stutz
O Caiana Duo é composto por Abdallah Harati no violão sete cordas e João Araújo no pandeiro e percussão. Os dois músicos são conhecidos como os iniciadores da Roda de Choro de Munique, além de serem bastante ativos na cena cultural brasileira. O repertório do duo é constituído principalmente pela música instrumental como o jazz brasileiro, o choro, a valsa e o samba. Além de composições próprias, o Caiana Duo faz releituras de obras de autores como João Pernambuco, Dilermano Reis, Pixinguinha, Garoto, aliando precisão e espontaneidade nos arranjos musicais.

Como convidada especial, acompanham a clarinetista e saxofonista Bia Stutz que, desde 2009, se especializou no repertório brasileiro, com foco no choro. Bia traz na bagagem diversas turnês com bandas e outras formações instrumentais em várias cidades da Europa e da América do Norte. Além disso, participou como professora de clarinete em diferentes festivais de música brasileira. Em 2018, Bia Stutz produziu o seu primeiro single sob o título „Pro Paulo“ durante uma residência artística na Alemanha. Ela faz parte da Orquestra Sinfônica de Mulheres do Brasil e pesquisa sobre o tema „Mulheres no Choro“ na Universidade de Aveiro, em Portugal.
Tickets

Sexta feira, dia 3 de fevereiro 2023, 16 – 18 hrs

Workshops
Instrumentos de cordas com Henrique de Miranda Rebouças
Instrumentos de melodia com Bia Stutz
Pandeiro com Ludwig Himpsl
Tickets

Sexta feira, dia 3 de fevereiro 2023, 20 hrs

Antes, às 19 hrs: Conversa com Bia Stutz sobre „mulheres no choro“
(entrada livre/doação bem-vinda)

20 hrs: Concerto: “11th street” com Choro de Rua
A flautista italiana Barbara Piperno e o guitarrista e bandolinista brasileiro Marco Ruviaro formaram o duo Choro de Rua em 2012, no desejo de difundir o choro na Itália e na Europa. Assim, oferecem a possibilidade de apreciar um dos mais refinados e deliciosos gêneros da música instrumental brasileira. O duo Choro de Rua realiza um trabalho único, verdadeiramente pioneiro: buscando formas não-convencionais de divulgação do choro, o duo encontrou nas “Città d’Arte” italianas um lugar ideal e fértil para se apresentar diariamente, atingindo um público culto e proveniente de inúmeros países, capaz de reconhecer a variedade, o refinamento e a qualidade de uma proposta musical séria e inovadora.

Graças principalmente às apresentações pelas ruas, o Choro de Rua tem tido um contacto estreito com um público muito vasto ao longo dos anos. O primeiro disco do duo, “Aeroplanando” – lançado em 2013, entretanto chegado à terceira reimpressão –, já foi levado para mais de trinta países. O disco “Santo Bálsamo”, desde o seu lançamento em outubro de 2020, tem sido muito bem recebido pela crítica e pelo público. A ambição é a mesma do disco precedente: alcançar um público cada vez mais vasto e heterogêneo, desta vez através de um repertório de choro contemporâneo – uma realidade com múltiplas faces, cores e influências, mantendo o choro como um gênero sempre vivo e em constante transformação.
Mais: http://www.choroderua.com/
Tickets

Sábado, dia 4 de fevereiro 2023, 10 – 13 hrs

Workshops e ensaio de Bandão (a bigband com os/as participantes dos workshops)
Matthias Haffner sobre a construção de pandeiro
Instrumentos de cordas com Marco Ruviaro
Instrumentos de melodia com Barbara Piperno
Pandeiro com João Araújo
Ensaio de Bandão
Tickets

Sábado, dia 4 de fevereiro 2023, 18 hrs

Conversa em português com Luciana Rabello live do Rio de Janeiro (online/híbrida)
(entrada livre/doação bem-vinda)

Luciana Rabello (*1961 em Petropolis, Estado do Rio de Janeiro), toca o cavaquinho desde os quatorze anos. A partir de 1977 participou de centenas de gravações e muitos shows de diversos artistas no Brasil e no exterior (por exemplo Elizeth Cardoso, Paulinho da Viola, Francis Hime, Martinho da Vila, Joel Nascimento, Baden Powell de Aquino, Toquinho e Copinha). Criou entre outros a Acari Records, hoje a primeira gravadora de choro, a Escola Portátil de Música e, em 2015, a Casa do Choro no Rio. Esta abriga o maior acervo de choro do planeta e foi feita para ensinar, divulgar e preservar a cultura de choro. Lançou dois discos de trabalhos exclusivamente seus, “Luciana Rabello” (2000) e “Candeia Branca” (2014).
http://lucianarabello.com/

Sábado, dia 4 de fevereiro 2023, 20 hrs

Concerto: Bavaschôro
Bavaschôro é em grande parte responsável pela popularidade do choro em Munique ao longo dos últimos dez anos. Tendo começado no Café Henri no bairro Au e no Café Jasmin no bairro Maxvorstadt, os cinco rapazes, entretanto, já tocaram muitos concertos fora de Munique, bem como em Portugal e no Brasil. As suas influências bávaras enriquecem e alargam as sonoridades dos originais brasileiros. O som do Bavaschôro combina jazz, música folclórica alpina e ritmos brasileiros. Além disso, o grupo tem no seu repertório as suas próprias obras de música de câmara que fazem lembrar a música de salão europeia e assim constroem uma ponte da Europa Central para o Brasil.

Henrique de Miranda Rebouças (guitarra), Marcio Schuster (saxofone e composição), Ludwig (percussão, corneta, tuba) e Xaver Himpsl (fliscorne) e Luís Maria Hölzl (cavaquinho, guitarra portuguesa)
Mais: https://www.bavaschoro.de/
Tickets

Domingo, dia 5 de fevereiro 2023, 12 hrs.

Bandão e Roda de Choro
Bandão, a bigband constituída por participantes dos workshops, toca uns choros ensaiados em conjunto. Em seguida uma roda de choro com feijoada e bebidas geladas.

Bilhete vale por uma porção. Por favor fale se quer vegano ou com carne (na compra do bilhete). Há 3 Slots para os bilhetes da feijoada:

12:00

12:30

13:00

Lugar: Kulturzentrum LUISE
Ruppertstr. 5, 80335 München
www.luise-kultur.de

Encontre todos os bilhetes aqui

Um evento com curadoria de Abdallah Harati, João Araújo, Marcio Schuster e Luís Maria Hölzl e com o apoio do pelouro da cultura de Munique, da Lusofonia e.V., DBKV e.V., RuppertBrasil, Rioca, Pura Communications, Supremo Rösterei, MusicalShirts.

Miroca Paris – O ritmo das Ilhas de Cabo Verde – remetido!

Nova Data: Sexta-feira, 31.03.2023, 20:30 hrs

Miroca Paris, inovador musical cabo-verdiano, foi fazendo um percurso pessoal ao lado de grandes personalidades da música. Como instrumentalista e cantor acompanhou a lenda musical Cesária Évora durante muitos anos; também fez digressões com Madonna e gravou um álbum vencedor do Grammy.

O multi-instrumentista cabo-verdiano Miroca Paris ocupa finalmente em nome próprio o centro do palco e demonstra ser um dos intérpretes mais fortes do mundo da música lusófona. Ao lado de personalidades cénicas famosas, o cantor, percussionista e guitarrista atuou durante muitos anos com a lenda musical Cesária Évora e fez digressões com Madonna. Agora brilha em palco com a sua própria música em quatro continentes. Com base no seu extenso conhecimento rítmico, Miroca Paris desenvolveu uma técnica única de tocar guitarra: uma forma inovadora, lúdica, surpreendente e fresca.

Ele combina a sua voz cava com um trompete fantástico, baixos e baterias crioulas, duas guitarras e, deste modo, a sua fabulosa percussão resulta numa experiência de concerto única que nos transporta às ilhas vulcânicas cabo-verdianas e a sua cultura crioula-portuguesa-africana.

“Sensacional!” – Afropop Worldwide

“Apaixonámo-nos de novo pelo ritmo”! – El Pais

“Um mestre em grooves, na precisão e no fascínio”. – Revista WOXX

“Um homem de muitos talentos, cantor-compositor, guitarrista talentoso e percussionista”.  – PRI o Mundo

Miroca Paris nasceu na lendária “família de músicos parisienses” de Cabo Verde. Começou pela bateria aos sete anos de idade. A partir daí ficou claro que a música era a força motriz da sua vida. Por dez anos acompanhou a mundialmente famosa artista cabo-verdiana Cesária Évora em palcos por todo o mundo e permaneceu com ela até ao fim. A longa carreira musical de Miroca Paris tem sido marcada pelo acompanhamento de outras artistas de renome, incluindo Sara Tavares, Angélique Kidjo, Bonga, Mariza, seu tío Tito Paris e Madonna. O cantor, percussionista e guitarrista pertence à nova geração de artistas cabo-verdianos que encontraram a sua segunda casa em Portugal.

Mais informações aqui: https://globalgrooves.de/miroca-paris.html

Vídeos:

Miroca Paris Live in Berlin – Wassermusik Black Atlantic Festival

Novo Local:
Muffatwerk, Ampere
Zellstr. 7
81667 München

Admissão: 19:30 hrs / Início: 20:30 hrs
Entrada: Vorverkauf 24 € (sem taxas) / Abendkasse 29 €
Depois: Creole, Latin, Afro-Party com DJ Paps & DJ Carlos (inclusive).

Os bilhetes estão disponíveis aqui
(Os bilhetes comprados para o concerto remetido do dia 25 de setembro de 2022 mantêm a sua validade.)

Apresentado pelo Global Grooves Munich, Delicious Tunes e Lusofonia e.V.

Organizador: START WITH CULTURE. Com o apoio do Departamento Cultural da Cidade de Munique e Muffathalle Betriebs GmbH.

Peripherien / periferias

Quinta-feira, dia 8 de dezembro 2022, 19- 21 hrs // E TAMBÉM // Quinta-feira, dia 15 de dezembro 2022, 19-21 hrs

Bolseiros da Villa Waldberta irão mostrar o seu trabalho na intersecção entre as artes visuais e o cinema durante dois serões em dezembro.

Com: Inti Gallardo , Ygor Gama, Sarah Messerschmidt, Filipe Nunes Branco, Patrik Thomas e Mathias R. Zausinger

Time-based media na intersecção entre as artes-visuais e o cinema

Os artistas atualmente residentes na Villa Waldberta em Feldafing dão a conhecer as suas obras em desenvolvimen­to, mostrando material bruto e fragmentos de trabalhos atuais, assim como obras completas mais antigas.

O elemento comum é a reflexão artística sobre a periferia: um glitch digital no espaço virtual, a observação documental nos subúrbios da cidade, assim como uma experiência mental para explorar áreas fronteiriças.

Com: Inti Gallardo, Ygor Gama, Sarah Messerschmidt, Filipe Nunes Branco, Patrik Thomas e Mathias R. Zausinger

Quinta-feira, dia 8 de dezembro 2022, 19-21 hrs
Villa Waldberta – Palmenhaus
Instalação, vídeos, exposição, estúdio aberto, Artist Talk

Quinta-feira, dia 15 de dezembro 2022, 19-21 hrs
Villa Waldberta – Salon
Screening: „Os Brutos“ / arte em processo, Artist Talk

Lugar: Villa Waldberta
Höhenbergstr.25
82340 Feldafing

Entrada livre

Um evento de Artist-in-Residence Munich em cooperação com Random Collective e Lusofonia e.V.

Como soaria ser célebre: Matinée com Manuel Jorge Marmelo e Michael Kegler

Domingo, 13 de novembro de 2022, 11 horas

O escritor Manuel Jorge Marmelo, neste outono bolseiro da Villa Waldberta, irá ler passagens do livro Uma mentira mil vezes repetida e conversar com o seu tradutor sobre a sua obra e novos projetos.

A Villa Waldberta abre as suas portas para esta matinee, um dos eventos do festival literário “Literarischer Herbst im Fünf-Seen-Land”.

Em Uma mentira mil vezes repetida um homem leva consigo no autocarro um romance que não escreveu, mas antes compôs a partir de textos de outrem. Diz-se seu autor e lê de lá passagens a quem viaja com ele, pois deseja obter sucesso e tornar-se célebre. Como leitores vamos seguindo com curiosidade, entre o prazer e o espanto, histórias enredadas e um pouco loucas, acontecidas ao longo do século XX em vários lugares do mundo.

Manuel Jorge Marmelo, na esteira de grandes nomes como Borges, Pessoa ou Calvino, brinca com o que é ou não ficção… A figura do narrador lembra os que andavam pelas feiras a apregoar e a vender historietas e que através da imaginação faziam as pessoas esquecer as agruras do quotidiano. Fica em aberto se a literatura consegue hoje libertar-nos de uma comodidade letárgica. Pelo menos este romance tem o condão de nos conduzir por um labirinto de mundos fictícios, sempre na corda bamba entre a verdade e a mentira.

Gerd Holzheimer fará a introdução aos excertos que serão lidos em português e em alemão e o tradutor Michael Kegler irá em conversação com Manuel Jorge Marmelo desvendar alguns segredos da sua obra.

Dr. Rohmer, diretor da Villa Waldberta, dará as boas-vindas.

Manuel Jorge Marmelo nasceu no Porto em 1971. Logo muito cedo começou a escrever para o jornal „Público“. Em 1999 foi publicado o seu primeiro romance. Desde aí publicou duas dúzias de títulos que incluem romances, contos, peças de teatro e livros infantis. O romance „Uma mentira mil vezes repetida“ foi galardoado com o prémio „Correntes d´Escritas/ Casino da Póvoa“. Em fevereiro de 2022 publicou o romance “A última curva do caminho”, uma narrativa nostálgica através da voz de um velho professor.

O tradutor e moderador Michael Kegler nasceu em 1967 em Gießen e passou uma parte da infância na Libéria e no Brasil. Desde os finais dos anos 90 traduz do português, por exemplo romances de José Eduardo Agualusa ou lírica de Ana Luísa Amaral. Tem sido agraciado com vários prémios de tradução, como o Straelener Übersetzerpreis em 2014 e, junto com o escritor Luiz Ruffato, em 2016 o Hermann-Hesse da cidade de Calw.

A Villa Waldberta abre as suas portas para esta matinée, um dos eventos do festival literário “Literarischer Herbst im Fünf-Seen-Land”.

Lugar: Villa Waldberta

Höhenbergstraße 25
82340 Feldafing
Entrada 21 € / Schüler & Studenten 10 €

compra através de faire-tickets.de

Válidas as atuais medidas de prevenção contra covid

Exposição: Over (the) Mine

Abertura: Sábado, 25.06.2022, de 12:28 hrs às 20:00 hrs

Em uma mistura de comemoração e manifesto, a exposição Over (The) Mine de Isadora Canela, Lis Haddad e Thaís Machado, três artistas do Brasil, convida o público a refletir sobre o lado mais escuro da mineração e a partir desse lugar reordenar os “mapas de destruição” e abrir novas perspectivas.

Em inglês, a palavra „mine“ pode ser traduzida tanto como espaço de extração mineral quanto como pronome possessivo. Como território explorado e também como uma materialização do self, “mine” é o centro de uma estrutura capitalista e seus padrões. 

Em uma mistura de homenagem e manifesto, a exposição Over (The) Mine convida o público a refletir sobre as profundezas obscuras da mineração e a partir daí redesenhar os mapas de destruição para abrir espaços para outras realidades.

Que as minas acabem, e não as vidas. Que a ideia egoísta do que é “meu” mude. Que o futuro de ontem possa superar as paisagens dolorosas. 

Desenvolvidas especificamente para Munique, as obras chegam ao público na cidade onde acontece o julgamento de um dos crimes humanos e ambientais mais graves da história recente: Em 2019 na cidade de Brumadinho, Brasil, uma barragem de minério se rompeu, matando 272 pessoas e quilômetros de fauna e flora. A empresa que garantiu a segurança da barragem é sediada em Munique e nega judicialmente sua responsabilidade. 

Além disso, grandes bancos alemães investem atualmente em mineradoras que estão diretamente envolvidas em conflitos ambientais e humanos no Brasil. Neste contexto, a exposição é também um alerta e um apelo à ação, afinal, apesar das distâncias físicas e simbólicas, as decisões tomadas por países europeus atualizam a era colonialista afetando diretamente outros territórios. 

As artistas:

Isadora Canela é uma cineasta e artista visual brasileira de renome internacional. Após graduar-se na Universidade de Viçosa/Brasil e especializar-se na Universidade das Artes de Londres (UAL), ela ganhou o Prêmio Expocom no maior congresso nacional de mídia do Brasil por seu ensaio fotográfico Vitrine sobre a violência contra as mulheres. Ela lançou recentemente o curta-metragem Linhas Tênues sobre o trabalho escravo na indústria da moda, que tem sido exibido em festivais ao redor do mundo. Atualmente ela está trabalhando no longa-metragem Na Sombra do Sol sobre o conhecimento astronômico dos povos indígenas. O tema de seu trabalho é sempre a arte como um meio de mudar as estruturas sociais, ecológicas e políticas.

Junto com os outros artistas convidados atuais da Ebenböckhaus, ela está pesquisando e trabalhando sobre o tema da exploração de minas e seus trabalhadores no estado de Minas Gerais e os efeitos resultantes sobre a terra, a sociedade e a democracia no Brasil. Após anos de coleta de material, elas estão agora tentando materializar este trabalho na forma de uma instalação artístico-sensorial.

Lis Haddad, nascida em Belo Horizonte/Brasil em 1981,  é artista visual e designer de jóias. Desde 2017 ela vem compartilhando seu tempo entre o Brasil e a Ásia e pesquisando práticas manuais para descobrir o modo como o artesanato e a joalheria corporal se tornam ferramentas para a descolonização do design e da estética. Entre seus muitos trabalhos destaca-se a coordenação do Departamento de Joalheria e Design da Fundação da Arch College of Design and Business, Jaipur/India (2017-2018), tendo desenvolvido e orientando o laboratório de processo criativo ‘A Jóia Expandida‘ (2015-2018) e dirigido a arte do documentário Concrete Dreams: Skating Niemeyer. Ela faz parte do coletivo de artistas MI(EA)NING.

Thais Paiva, o terceiro membro do coletivo de artistas M(EA)NING, vive atualmente em Berlim como fotógrafa e arquiteta. Seu trabalho é baseado em extensa pesquisa entre Ásia e Oceania, combinada com filosofias de planejamento urbano para usar a arte e a arquitetura como uma ferramenta de inclusão social. Seus trabalhos de vídeo e fotografia, assim nos ensaios fotográficos Tofu Artesão Apoiando Gerações ou Crianças Perdidas em um Labirinto de Trabalho Escravo, têm o objetivo de provocar discussões sobre crescimento e responsabilidade, com a esperança em reformas que reduzam as desigualdades sociais.

Abertura: Sábado, 25.06.2022, de 12:28 hrs às 20:00 hrs

Palestra e discussão com representantes do principal escritório de advocacia PGMBM (representando o lado das vítimas do desastre da mina de Brumadinho de 2019) à partir das 15h30 hrs.

Exposição: Domingo, 26.06.2022, das 12:28 às 20:00 hrs.
Segunda, 27.06.2022, das 10:00 às 20:00 hrs.

 

Lugar: Ebenböckhaus
Ebenböckstraße 11
81241 Munique-Pasing

Evento em cooperação com a Akademie der Bildenden Künste Munique